Web Analytics
top of page

Tecnologia a serviço do jogador

Tenfield.png

12 de fevereiro de 2021

A EmoRisk, através da sua inteligência artificial, está a liderar o caminho para cuidar da saúde mental dos jogadores de futebol e melhorar o seu desempenho, oferecendo apoio emocional, reduzindo riscos de lesões e fornecendo avisos precoces de problemas de saúde mental, o que contribui para o bem-estar dos atletas e o sucesso das equipes.

No futebol, o tabu da saúde mental ergue muros de silêncio.

 

É claro que tudo fica maravilhoso e róseo quando os objetivos são alcançados, mas o estrago que uma eventual derrota pode causar é duro. A pressão permanente para obter resultados positivos, a ausência prolongada do campo devido a lesões persistentes e em muitos casos a solidão, principalmente por viver noutros países, longe dos afectos familiares, são cenários que aumentam o risco de sofrer de doenças mentais. propenso a causar depressão grave e problemas de ansiedade.

Hoje em dia, a saúde mental é um tema que ganha a atenção dos futebolistas profissionais e também dos clubes, que incluem os psicólogos na formação integral dos atletas. Não em todos os casos…

Em outros, reinam a apatia e a solidão absoluta.

 

Daniel Malamed, do México, conta-nos as virtudes do sistema EmoRisk, que se dedica a cuidar da saúde mental dos jogadores de futebol e também contribui para aumentar o seu desempenho. O programa é capaz de reconhecer, detectar e localizar riscos em tempo real. Paralelamente, realiza avaliações diárias para verificar estados de humor, identificando e detectando fatores psicossociais que requerem prevenção ou intervenção. Além de revelar aqueles líderes positivos ou negativos.

 

Daniel é amigo pessoal de Pablo Lima, atualmente reside nos Estados Unidos. O popular “Bolita”, como todos os membros da família do futebol, ainda sente a dor pela trágica morte de Santiago “Morro” García. Ao mesmo tempo, à distância tenta dar uma mão a todos aqueles jogadores que hoje necessitam de ajuda desportiva extra.

 

-Como funciona o sistema EmoRisk em termos gerais?

“É um desenvolvimento técnico com inteligência artificial que permite aos clubes desportivos, através dos seus psicólogos e equipas de trabalho, monitorizar e realizar uma análise profunda das emoções dos jogadores. Isso é feito com o algoritmo que reconhece mais de cento e cinquenta (150) tipos de emoções em diferentes níveis, por meio da voz.”

-É confiável?

“O programa já é utilizado por clubes de diversas ligas europeias, e por diversas equipes que participaram da última edição da Copa Libertadores. Por exemplo, e sem citar nomes, um jogador importante de uma das equipas que ocuparam os primeiros lugares do torneio, recorreu ao EmoRisk, uma vez que não jogava há vários meses devido a uma lesão grave. E não só conseguiu, como acabou jogando e tendo um desempenho muito bom. Também é administrado por times de basquete e futebol americano dos Estados Unidos. Aplica-se a qualquer modalidade de esporte altamente competitivo e preferencialmente no desenvolvimento de atletas, desde os 15 (quinze) anos até o primeiro nível de elite.”

 

-Em que consiste?

“Permite, em primeiro lugar, ajudar os atletas a serem apoiados emocionalmente. Em segundo lugar, reduzem o risco de lesões em percentagens elevadas. E terceiro, otimiza o desempenho geral e individual das escolas. Tudo isso, através dos resultados obtidos pela análise da plataforma.”

-É aplicado em nível de grupo ou também pode ser aplicado individualmente?

“As análises são individuais, abrangendo padrões internacionais de privacidade de dados. De posse dos dados, os psicólogos, em conjunto com os membros dos órgãos técnicos, têm a possibilidade de tomar decisões mais eficientes a nível de grupo. Por exemplo, na hora de formar a equipa, com os jogadores muito mais motivados e com menos riscos em termos de saúde física.”

-Esta comprovado?

“Está comprovado que o sistema ajuda os atletas a reduzir o estresse, controlar o nível de excitação e ansiedade e ter alertas proativos quanto à tendência à depressão ou distimia. Esse tipo de condição ocorre muito em atletas que estão fora do país e/ou em competições solitárias, como tenistas. Claro, e vale ressaltar, o programa está a serviço de todos os jogadores e atletas do futebol uruguaio”.

→Link para o Diário de Tenfield (artigo disponível em espanhol)

bottom of page